HOME CARE TERAPÊUTICO  

Por que atender em casa?

Para alguns pacientes, seja este criança, adolescente, adulto ou ancião, a impossibilidade de sair de casa ou a hospitalização, é uma realidade. Este trabalho busca favorecer que pessoas com limitações funcionais, assim como sua família e seus cuidadores, mantenham seu estado de saúde, bem como minimizar o efeito do sofrimento causado pelo limite de uma doença física ou mental.


Sabe-se que na vivência de situações limites, a arte e o toque atuam como meio facilitador do processo doloroso, abrindo espaço para a elaboração das dores, questões, dúvidas, tristezas, saudades, ansiedades, esperanças e êxitos também. Como conquista, promove a reconciliação dos conflitos emocionais, assim como facilita a autopercepção e o desenvolvimento pessoal.

No trabalho com pacientes debilitados físico e/ou emocionalmente em hospitais e em casa, focaliza-se o equilíbrio psico-corporal, pensando na unicidade do sistema orgânico, emocional e psicológico. Busca-se o equilíbrio e, conseqüentemente, a harmonização da energia vital.

Considera-se o sujeito como uma unidade psico-orgânica. Esta é funcional e manifesta-se simultaneamente tanto na saúde como na doença.

Assim entendemos a doença e o sintoma físico como um símbolo que expressa uma dissociação e revela um caminho. Trata-se de um apelo do inconsciente que se manifesta corporalmente abrindo uma possibilidade de resgate, a medida que este se coloca como um sinal de alerta de um desequilíbrio de funcionamento da pessoa.

Pesquisas diversas mostram que adoecemos na proporção inversa à nossa capacidade de mentalização e simbolização. Ou seja, quanto maior a elaboração, menor é a somatização.

Neste enfoque, o trabalho se utiliza tanto das expressões artísticas como do toque, da massagem e da psicoterapia, propiciando um contato com o universo imaginário e simbólico. Por focalizar o não verbal, remete a experiências da fase pré-verbal ou mesmo ainda mais primitivas ou coletivas, de modo a permitir a elaboração dos conteúdos internos, mesmo que o acesso a estes não se dê através da palavra (verbalmente).
 

Numa visão interdisciplinar, baseada na integração dos serviços de saúde voltados para o paciente e sua família, os objetivos do atendimento hospitalar e domiciliar são:

  • Minimizar o sofrimento provocado pela hospitalização, buscando a diluição da tensão e do stress provocados pela situação em si;
  • Trabalhar com as seqüelas e decorrências emocionais da doença e da hospitalização;
  • Atuar na análise das relações interpessoais, facilitando a comunicação entre médicos, paciente e seus familiares;
  • Atender integralmente o paciente, sua família e os cuidadores;
  • Facilitar a aceitação de seu estado tanto pelo paciente como por sua família, visando uma maior cooperação frente ao tratamento - estimulando o auto cuidado - bem como uma melhor reabilitação e reintegração sócio-familiar;
  • Possibilitar a compreensão e o tratamento dos aspectos psicológicos nas diferentes situações, tais como: distúrbios psicossomáticos, fantasias mórbidas, angústia de morte e ansiedade frente a internações (sintomas, diagnóstico, evolução, prognóstico, alta), favorecendo a expressão dos sentimentos, das expectativas e a aceitação limites (reais e imaginários);
  • Possibilitar o processo reflexivo acerca da dinâmica do Ciclo da Existência considerando os aspectos simbólicos contidos nos movimentos de nascimento, vida, crescimento, aprendizagem, morte, aborto.

Como atua o atendimento domiciliar?

Através de uma equipe multidisciplinar composta por: arteterapeutas, psicólogos, musicoterapeutas, arte-educadores, psicoterapeutas corporais, coordenados pela psicólogas, arteterapeutas e psico-terapeutas corporal Ana Luisa Baptista e Carolina Nani.

Quais as Atividades Propostas?

  • Atendimento Psicoterápico - engloba intervenções psicoterápicas desenvolvidas individualmente, em grupo ou na familia, envolvendo estratégias elaboradas a partir da compreensão psicodinâmica de cada caso.
  • Atendimento em Massagens Terapêuticas - Biodinâmica, Calatonia, Reiki - favorecendo o relaxamento e a diluição do stress físico e emocional através de toques suaves, manobras aprofundadas e da visualização, tendo o intuito de resgatar a capacidade de auto-regulação do organismo.
  • Atendimento em Arteterapia - constitui um espaço terapêutico alternativo que possibilita o desenvolvimento de canais de expressão e comunicação não verbais através da integração entre música, expressão corporal, teatro, histórias, artes plásticas.

 

IMPORTANTE:

Todos esses trabalhos são também destinados a pessoa do cuidador e aos familiares do paciente, focalizando a diluição do stress causado no acompanhamento de uma pessoa doente.


 



Topo